Pra Viagem – É Só Adicionar Água Quente

Foto cortesia Waitrose

Em sua recente pesquisa de mercado “Snacking in America 2012”, realizada nos EUA, o grupo NPD concluiu em seu relatório que o café da manhã é a principal refeição somando 28% das ocasiões de alimentação, seguido pelo jantar com 27% e almoço com 25 %, porém o lanche não fica atrás, totalizando 20%. Mais da metade dos americanos, cerca de 53%, lancham cerca de 3 vezes ao dia, e os adeptos das dietas mais saudáveis fazem lanches mais freqüentemente.
No Brasil a situação depende da região observada com predominância de lanches caseiros em regiões afastadas de centros metropolitanos e regiões como norte e nordeste. Mas nas grandes metrópoles do sudeste os hábitos de consumo para viagem já podem ser observados, seja no trabalho, na faculdade ou no caminho, justificado pela correria do dia a dia. Além disso, com a mudança da sociedade e o aumento do número de solteiros e separados em relação aos casados e o aumento de mulheres como chefes de família, existe uma tendência na fabricação de produtos em porções individuais e de preparo rápido.

Vendedor de salgadinhos na Praça Josino Ferreira

Segundo a pesquisa de mercado “Global Snacking 2012: Brazil” conduzida pelo Hartman Group, a cultura de “beliscar” entre as refeições é comum também no Brasil.
De acordo com o estudo, o café da manhã não é importante para muitos brasileiros. O que é bem verdade já que um pãozinho com manteiga e café com leite ou um pão de queijo são suficientes, enquanto em outros países o desjejum é tratado como um almoço brasileiro com bacon, ovos e até feijão. Além disso, novamente a falta de tempo leva ao consumo de alimentos na rua enquanto nos deslocamos de um lugar a outro, e com grande variedade de opções, nem sempre saudáveis.
Devido a esses fatores e associado ao hábito brasileiro de misturar convívio social com petiscos, o Brasil representa um grande mercado.

No cenário de prosperidade atual e com o aumento de poder aquisitivo há grandes possibilidades, em especial para lanches matinais, levando-se em consideração o trunfo de alimentos embalados em relação à higiene, quando pensamos em alimentos vendidos na rua.
Quando comparados aos americanos, os brasileiros se diferenciam ainda por não apreciar comer enquanto anda, preferindo parar e se acomodar enquanto se alimenta.
O lanche no Brasil consiste de cafezinho, biscoitos, bolo ou ainda um salgado. Ainda segundo o estudo, o brasileiro tem especial admiração pelos doces.
Atualmente esse cenário vem sendo afetado pela necessidade da redução de calorias, graças ao avanço da obesidade, então podemos encontrar barras de cereais e frutas em substituição aos tradicionais petiscos.

Vendedor de espetinhos na Praça Josino ferreira

Historicamente, as mudanças nos hábitos de consumo direcionam os desenvolvimentos de novos produtos, porém, de acordo com estudos conduzidos pela US trade association PMMI, os investimentos em desenvolvimento de embalagens, especialmente no setor de snacks/lanches, são predominantemente impulsionados pelas necessidades do varejo.

Nesse contexto, os EUA representam uma população “para viagem”. De acordo com pesquisa do SymphonyIRI‘s group “2012 Consumer Snacking”, mais de um terço da população consome lanches em lugar de refeições quando em trânsito.

Fabricantes dentre várias categorias de alimentos e bebidas estão atendendo as necessidades dos consumidores com hábitos de consumo “para viagem”. Em 2011, 37% dos lançamentos de novos alimentos e bebidas enfatizavam os atributos de rapidez e portabilidade, contra uma média histórica de 28%.

Graças à intensificação de novas tecnologias e designs, os fabricantes nos proporcionam desfrutar, de maneira mais rápida e fácil, de uma extensa linha de alimentos e bebidas, em casa ou fora dela.
Para esses consumidores que buscam por preparo rápido, qualidade premium, frescor, texturas ricas e o sabor agradável de comida caseira, o mercado recentemente apresentou desenvolvimentos que levam em consideração o consumidor ávido por economia de tempo.

Coffe Bag – Bolsa para café
A empresa Dinamarquesa Nordic introduziu uma cafeteira descartável, que foi chamada de Coffeebrewer, e funciona dentro do próprio saco do tipo pouch.

A cafeteira é basicamente um híbrido entre um filtro de papel e uma cafeteira do tipo prensa francesa. O projeto da Coffeebrewer permite uma extração perfeita, enquanto o volume do saco possibilita o contato entre a água quente e o café e a extração do aroma.
O sistema único de extração é desenhado para preservar os óleos naturais do café, enfatizando seus sabores delicados e finos aromas, o que, de outra maneira, só poderia ser obtido pela própria cafeteira de prensa francesa.
A embalagem contém um filtro com 26 gramas de café fresco moído. Para coar 3 xícaras de café, tudo o que você precisa é abrir o saco, adicionar meio litro de água quente e deixar em repouso por 5 a 8 minutos.

O filtro separa efetivamente o café coado do pó e, quando é servida a primeira xícara e meia, o café restante fica sob o filtro, encerrando o processo de extração. Isso significa que o café não se tornará amargo com o tempo, como ocorre na prensa francesa.
A Coffeebrewer claramente utiliza mais material de embalagem por xícara de café que qualquer outro tipo de solução para viagem do gênero. O tamanho da embalagem é semelhante a uma folha A5 com espessura de 1 cm e peso de 45 g.

O saco não utiliza camada de alumínio, mas sim 7.7 g PE, 1.6 g PET e 6.8 g de papel oriundo de madeira de reflorestamento sueca. O PE, que é composto de carbono e hidrogênio, supostamente não agride o meio ambiente.

Maggi “Moment Mahl“
O centro Nestlé de tecnologia de produtos, em Singen (Hohentwiel) na Alemanha, projetou uma embalagem colapsável (pode ser dobrada), prática para sopas instantâneas. A embalagem é notável graças à combinação de um saco flexível que contém o produto e uma parte dobrável em cartão que se converte convenientemente em uma xícara para sopa, após apertarmos a embalagem.

O destaque da embalagem da sopa “Moment Mahl“ é que o recipiente da sopa é integrado ao saco. Tudo que o consumidor tem que fazer é abrir o topo da embalagem e apertar as laterais nos locais indicados até ouvir o “click”, criando uma estável terrina para sopa. Então, após adicionar água fervente, agitar vigorosamente e aguardar 3 minutos, poderá desfrutar de sua sopa.

A nova sopa Maggi traz, em cada embalagem, o conteúdo de 250 ml e é uma solução perfeita para lanches rápidos como uma pausa no trabalho ou matar a fome entre as refeições. Quando comparada à embalagem sólida (copo) atualmente no mercado, essa embalagem, que se transforma de um saco plano em uma sopeira, ganha pontos pelo excelente ganho de espaço durante o transporte e armazenamento.

Deli Box da Batchelors
Afirmando ter se inspirado no estilo das embalagens cartonadas de noodles, populares na América, o novo Deli Box da Batchelors massas variadas é ideal para lanches no trabalho, para viagem e para famílias apressadas. O consumidor precisa apenas puxar a película no topo, adicionar água quente, mexer e aguardar 5 minutos para criar uma mini-refeição com uma porção reduzida de 75 g.

Mesmo que a embalagem de porção individual aparente ter “credenciais” verdes, não há nada no site da companhia sobre as vantagens da embalagem, seu desenho ou materiais utilizados. Não revelar nada a esse respeito é bastante perturbador e mostra absoluta negligência por parte da Batchelors com os consumidores com consciência ambiental, já que pesquisas de mercado e marketing apontam que atualmente os consumidores são ávidos por maiores detalhes.

A Alexir é a fabricante da embalagem, mas também não traz nenhuma informação apropriada em seu site, com exceção de alguns “cases” sem sentido, como o seguinte:

“Uma consulta inicial da Premier, a Alexir, sobre um projeto colaborativo para uma nova linha de massa seca instantânea, liderada por um grande grupo incluindo a produção de uma embalagem “shelf ready” (vai direto à prateleira) pela Alexir International.”
Mas nada traz sobre a chamada “embalagem projetada para a prateleira”.
De qualquer maneira a embalagem é familiar e similar a CFS Ecoplus, que descrevi em meu artigo: Evolução: De “Optimum Pack” para “Ecoplus Pack”.

Vou repetir aqui alguns detalhes da EcoPlus, assim meus leitores podem ter uma ideia de como é a embalagem Deli Box da Batchelors.
A CFS Germany GmbH desenvolveu a EcoPlus como uma alternativa econômica à bandeja cartonada e pré-fabricada.
A vantagem dessa embalagem é sua estrutura simples que consiste em uma camada externa de cartão e uma interna de filme. Ambas as partes são separadas por um compartimento com ar. O cartão pode ser impresso por completo antes de ser moldado em formato de caixa. O filme interno pode ser rígido ou flexível.

Se for utilizado filme PP não há razão para que não se possa aquecê-la em microondas (ou com adição de água quente como requerido pela Deli Box). O cartão então ficará morno graças ao “colchão de ar” entre as camadas de cartão e filme. Após sua utilização o cartão e o filme podem ser descartados separadamente.

Como foi dito, a indústria de snacks/lanches rápidos está em expansão. O mercado global vai aumentar cerca de 334 bilhões de dólares em 2015.
No futuro, veremos mais soluções interessantes em embalagens nesse segmento.

Artigo escrito por Fabiana Paciulo com base no artigo original: “On-the-Go – Just Add Some Hot Water”

Uma resposta para “Pra Viagem – É Só Adicionar Água Quente

  1. estou a abrir uma empresa de cuscuz, e preciso saber sobre a embalagem do produto e formas de conservação. gostava de saber quais os procedementos para isso,. se me poderem ajudar agredecia obrigado espero que possam me responder

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s